Notícias

Fundação CASA inaugura unidade em Itanhaém

Por Assessoria de Imprensa, em 21/12/09 16:44

Governo do Estado chega à marca de 46 unidades; Itanhaém tem novo modelo de atendimento socioeducativo

A Fundação CASA entregou nesta segunda-feira (21 de dezembro) a 46ª unidade construída pelo Governo do Estado dentro do programa de descentralização do atendimento socioeducativo. A casa funcionará em Itanhaém, no Litoral Sul de São Paulo.

“Com esta unidade, e com as que vamos entregar em Praia Grande (duas), Mongaguá (uma) e Santos, vamos conseguir completar a rede necessária para que os adolescentes do Litoral e da Baixada Santista sejam atendidos próximos de suas famílias”, disse a presidente da CASA, Berenice Giannella, durante a cerimônia de inauguração.

A solenidade contou com a presença do deputado estadual Samuel Moreira Jr. e do prefeito de Itanhaém, João Carlos Forssell. Ambos apoiaram a construção da unidade. “O Governo do Estado tem se mostrado muito eficiente com esta política de descentralização, que está servindo de exemplo”, afirmou Moreira Jr.

Também participaram da inauguração a juíza da Vara da Infância e da Juventude de Itanhaém, Claudia Aparecida de Araújo, a promotora da Vara da Infância e da Juventude, Ana Carolina Fuliaro Bittencourt, e a presidente da ONG Associação Nordestina e Nortista, Ilda Cecília Gangi de Barros. A festividade solene também teve a presença de outros representantes do Poder Judiciário e do Ministério Público.

O prefeito Forssell foi elogiado pela presidente da CASA. “Ele demonstrou sensibilidade de homem público e auxiliou o Estado a criar esta necessária unidade de internação.”

Para o prefeito, a unidade vai completar uma série de investimentos sociais que Itanhaém está fazendo na prevenção. “O atendimento, com esta unidade, vai ser mais próximo da família e da natureza (a unidade fica ao lado de uma reserva de Mata Atlântica). E tenho certeza que o carinho com que os funcionários da CASA e da Associação Nordestina tratarão os jovens facilitará o trabalho de recuperação.”

A unidade Itanhaém será gerenciada em parceria com a ONG Associação Nordestina e Nortista de Itanhaém (ANNI). Este modelo de administração é chamado de Gestão Compartilhada, pelo qual a entidade parceria cuida do atendimento técnico prestado aos adolescentes nas áreas psicossocial, de saúde, qualificação profissional e pedagógica. A CASA responsabiliza-se pela segurança e pela direção do estabelecimento – ao Estado, ainda cabe o ensino formal, ministrado por professores da rede estadual de ensino.

Detalhes do projeto

Com mais esta casa em Itanhaém, sobe para 46 o número de unidades construídas pelo Governo do Estado, desde 2006. A nova unidade foi construída com base em novo modelo arquitetônico, com capacidade máxima para 56 jovens (40 em internação e 16 em internação provisória).

“Com a descentralização das unidades, os adolescentes estão sendo beneficiados por ficarem próximos de suas famílias”, diz Berenice Giannella, presidente da CASA. “Nestas unidades pequenas, uma outra vantagem é o atendimento individualizado que eles recebem. São fatores importantes para recuperação dos jovens”.

Por conta deste processo, os índices de reincidência e a ocorrência de rebeliões despencaram. A taxa de reincidência caiu de 29% (em 2006) para 13,5% (2009). No que tange às rebeliões, de 80 casos registrados em 2003, a Fundação registrou até o início de dezembro deste ano somente uma rebelião.

Modelo Comunidade Educativa

Na CASA Itanhaém, será implantado o mais novo modelo de atendimento socioeducativo: o Modelo de Atenção à Comunidade Educativa, desenvolvido por Antônio Carlos Gomes da Costa.

Nesta proposta, o profissional atua como mediador para despertar no adolescente a iniciativa do compromisso e da liberdade consciente, com o estabelecimento de um conjunto de ações socioeducativas que contribui para a formação do jovem, de modo que ele venha ser um cidadão independente e solidário, capaz de se relacionar consigo mesmo, com os outros e com tudo o que integra sua realidade circunstancial. (citação preconizada no SINASE, na página 46).

Sala de educação
Quadra poliesportiva
Nesse contexto, a Unidade de Internação de atendimento socioeducativo se estrutura em três dimensões convergentes e complementares:

·  Respeito aos direitos fundamentais do adolescente: garantia da sua integridade física, psicológica e moral;
·  Ação socioeducativa: educação para o convívio social e para o desenvolvimento pessoal e social do adolescente;
·  Segurança cidadã: medidas de contenção e segurança.

Toda a equipe da unidade trabalhará considerando essas três dimensões para o desenvolvimento do trabalho socioeducativo com os adolescentes em conflito com a lei. Deve-se considerar nessa abordagem, a criação contínua de espaços educativos, sendo que a socioeducação decorre do pressuposto básico de que o desenvolvimento humano deve se dar de forma integral, contemplando todas as dimensões do ser.

Na Comunidade Educativa, todos os profissionais que vão atuar nas unidades são responsáveis pelo atendimento integral ao adolescente autor de ato infracional, isto é, a organização da vida na Comunidade Educativa, ocorre em função do educando, que é personagem central nas três dimensões apontadas. 

Arquitetura e Educação

Em termos arquitetônicos, a unidade parece uma escola que possui três pavimentos. No primeiro, o térreo, há salas de educação, um refeitório e consultórios médico e odontológico. No segundo piso, ficam os quartos dos jovens. O terceiro pavimento conta com uma quadra poliesportiva e espaços para a visita de familiares.